03/04/2011

Pintor das planíces

Olho o tapete verde
Salpicado de amarelo
E do encarnado
Das papoilas.
Um tapete enorme,
Que não foi pintado
Nem tecido
Por ninguém conhecido.
E é tão lindo
Vê-lo aparecer
Em todas as Primaveras.
Quem disse que estas terras
São desertas e feias
Nunca olhou com atenção
Para este plano chão
Onde, das mãos do Mestre,
Caiu o arco-íris,
Que com a brisa leve e quente
Espalhou contenteAs suas cores,
Por estas planícies
De tantas lendas,
De tantos amores.
por maria Sousa

9 comentários:

myra disse...

lindas e tao verdadeiras palavras, linda imagem,
beijos querida In Natura

Tatiana disse...

Uma belíssima tela que retrata tão bem as palavras do poema.
Você está em minha nova postagem... Quando puder passe para ver!

Beijinhos

as arteiras disse...

Olá, In Natura!
Esta tela me é familiar1 rsrs
Gostei do poema que colocastes.
Uma linda semana prá vc!!!
Bjs!!
As arteiras

netuno artes disse...

Oi prima, texto muito bonito, não entendo nada de poemas, mas sei dizer quando " toca " , gostei,
bjs netunianos, ótima semana

ps.: conheço essa tela rs

Malu disse...

Parecia estar vendo um caminho colorido, com sombras cintilantes às margens.
Que belo! Que belo!
Abraços

Tatiana disse...

Obrigada de coração por sua visita e palavras deixadas no Simplesmente Amor... Receba um beijo carinhoso e o meu desejo de que você tenha um ótimo dia!

La sonrisa de Hiperión disse...

Como siempre un placer haberme pasado por tu espacio. Estupendo el poema...

Saludos!

C@urosa disse...

Olá minha cara In Natura, poema de grande sensibilidade, bem acompanhado com bela arte visual, parabéns pela qualidade e aproveito para agradecer sempre seus gentis comentários.

forte abraço,

c@aurosa

tossan® disse...

Este quadro é meu, digo nossa, mas não foi eu quem pintou, ganhei do próprio artista. Uma obra de arte! Beijo